Sobre jornalismo aos 21: “A principal finalidade do jornalismo, é fornecer aos cidadãos as informações de que necessitam para serem livres e se autogovernar”.

Minhas escolhas quase sempre são motivadas por sonhos.

Imagem não faz parte do texto original, relaciona-se pelo fato de acompanhar o conceito de autonomia contino em: Autonomia na página http://sense-absent.blogspot.com.br/2010/11/autonomia.html acessada em 20 de fevereiro de 2015.

Imagem não faz parte do texto original, relaciona-se pelo fato de acompanhar o conceito de autonomia contido em: Autonomia na página http://sense-absent.blogspot.com.br/2010/11/autonomia.html acessada em 20 de fevereiro de 2015.

Quando me decidi pelo jornalismo, foi pelo desejo de escrever. Depois, como era visto, descobri que há muito mais no trabalho jornalístico do que escrever, e que nem sempre você escreverá o que quer e gosta. Nunca me esqueço do que meu professor e orientador, Geder Parzianello costumava dizer sobre utopias e correr atrás daquilo que a gente acredita, seja costurar ou vender bolinhos.

Aqui estou eu, quase um ano após minha formatura no curso de jornalismo em São Borja, desempregada, pronta para minha mudança a Porto Alegre, e louca de vontade de começar essa nova etapa, entrando em um mundo totalmente diferente (mas não menos amado): a gastronomia.

Acredito que como jornalista, jamais posso perder minha curiosidade e interesses. Relendo alguns textos utilizados em disciplinas essências (como ética, por exemplo), e depois de um período trabalhando como repórter, o básico é o que continua sendo crucial a mim como jornalista. O exercício diário da profissão pode por vezes ser triste e desgastante, mas gera uma excitação tremenda conhecer as pessoas e suas histórias, e ter o poder de compartilhar isso tudo com o mundo.

Algumas perguntas tornaram-se frequentes no exercício da profissão: Quem se interessa pelas notícias produzidas? Estou realmente fazendo alguma diferença ou simplesmente alimentando conteúdo para determinado meio? Aos interesses de quem estou servindo? Entre outras.

“Talvez, sugerem alguns analistas, a definição de jornalismo tenha sido superpopularizada pela tecnologia, de forma que qualquer coisa hoje é tida como jornalismo”, Bill Kovach & Tom Rosentiel – Os Elementos do Jornalismo.

O excesso de falcatruas não diplomados atuando na área e a rotina das redações, acaba desvalorizando a profissão. O que se vê hoje é uma corrida para ver “quem dá a notícia primeiro”, sem nunca se importar com a checagem de informações e conteúdo de qualidade. Quando há um erro, a correção posterior geralmente nunca ocorre.

Jornalista que não lê e não escreve, já nasceu fracassado. Li e escutei diversas vezes, principalmente no interior, a expressão ‘jornalismo de verdade’, isso dito por quem (repito), não tem diploma, não sabe escrever, e provavelmente não lê. Qual o sentido, o objetivo, a razão, enfim, o plá da exploração da violência e do sofrimento alheio por veículos de comunicação? Que serviço isso traz? Um bombardeio informacional, sem profundidade alguma, que só causa cansaço em quem consome e em quem produz este tipo de mensagem.

Para concluir e refletir, de acordo com os autores citados anteriormente: “A principal finalidade do jornalismo, é fornecer aos cidadãos as informações de que necessitam para serem livres e se autogovernar”.

Espero que o tempo e o trabalho não endureçam meu coração e nem apaguem meus sonhos e utopias, que eu possa produzir algo relevante para vida de uma pessoa que seja. Agradeço aos professores que tanto me ensinaram, aos livros e ao meu primeiro editor (além de toda minha família, amigos, entrevistados, fontes, conhecidos, Google, etc.).

Nicole Utzig Mattjie, 21 anos, jornalista, texto reproduzido do facebook. Clique para ver original.

Sobre mundosofismo

Somos educadores populares e acreditamos na teoria de educação freirena, este espaço se destina a comunicação popular nas mais variadas mídias e formas. Buscamos colaborar com a liberdade de expressão através da defesa absoluta da democratização da mídia, colaborando com causas e movimentos e seus protagonistas nas lutas em todas os meios inclusive através do ciberativismo em Rede Mundial de Computadores.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s