Ser paga ou ser pega – a lógica da propriedade e o estupro de Queimadas

Um estupro coletivo. A expressão não dá conta do tamanho do horror do ato – estupro coletivo, eu penso novamente, as sílabas tentando se agrupar para dar forma à violência. Mas neses caso as palavras não dão conta.

Em Queimadas, munícipio da Paraíba, dois jovens armaram um ataque para estuprar suas colegas de trabalho, amigas e vizinhas. Na festa de aniversário de um deles um assalto foi simulado. Sete mulheres foram violentadas, e duas delas foram mortas – a recepcionista Michele e a professora Isabela.

Michele e Isabela foram mortas pois ao lutarem por suas vidas acabaram reconhecendo os agressores. Segundo as investigações todos os homens da festa sabiam do estupro. Todos os homens da festa acharam que aquelas mulheres que ali estavam mereciam ser estupradas, violadas, mortas.

Dois aspectos do caso me chamaram muita atenção: dos homens que não não participaram de forma efetiva, nada fizeram, não as defenderam, não denunciaram. A outra coisa foi que duas mulheres que também estavam na festa foram separadas das outras e não foram tocadas. Essas eram as namoradas dos dois mandantes do crime.

Essas duas características aparentemente menores do crime é que revelam o tipo de misoginia perversa que se esconde dentro da sociedade. Os homens que não participaram ativamente do crime de alguma maneira entenderam que aquilo não era nada demais. É um direito dos homens estuprarem mulheres. E as esposas dos criminosos não foram violadas pois afinal, já eram propriedade de alguém. As outras não foram poupadas pois afinal, não existia nenhum homem que zelasse pela segurança desse “bem”.

Para os estupradores de Queimadas uma mulher é um objeto assim como um carro, um copo, uma camiseta. E como todo tipo de objeto sem dono, existem aqueles que podem ser pegos e aqueles que podem ser pagos. E nessa lógica perversa, já que as moças presentes na festa não pareciam estar a venda o mais lógico seria pegar e dividir o espólio dos corpos violados na maior comunhão fraterna entre os participantes.

Choca saber que coletivamente esses homens resolveram estuprar essas mulheres. Que nenhum deles teve a consciência e o desejo de dar um basta nesse plano macabro antes que ele acontecesse. Choca, mas se a gente parar pra pensar nos crimes sexuais que são noticiados quase que diariamente, todos eles seguem o mesmo tipo de pensamento: mulheres não são pessoas. Mulheres são coisas e devem ser tratadas como tal.

É nessa despersonalização, nessa revogação súbita do direito de humanidade das mulheres é que surgem esses casos. Enquanto a lei continuar branda com crimes de ódio, enquanto continuarmos educando nossas meninas e meninos na papagaiada do “prende sua cabrita que meu bode tá solto” casos como esses vão continuar acontecendo. Não podemos mais fechar os olhos para o fato de que essa situação se perpetua por que meninas continuam a ser ensinadas a se portar como vítimas em potencial e meninos continuam a ser ensinados a se comportar como predadores. Isso não cria só condições ideiais para o abuso, mas toda uma cultura que esconde esses abusos, que os tolera e que os aceita como parte da sociedade.

Meninas continuarão a ser estupradas em ônibus sem que ninguém as socorra. Abusos sexuais perpetrados por vizinhos e parentes continuarão sendo a regra.

Eu particularmente não conheço nenhuma mulher que não tenha uma história de abuso ou tentativa de abuso para contar. Que não tenha sofrido algum tipo de violência só pelo fato de ser mulher. E o caso de Queimadas é o pesadelo se tornando real, esse sentimento de superioridade e esse comportamento de privilégio por ter nascido com “o sexo certo a quem tudo é permitido” elevado as últimas consequências.

Não gostaria que esse caso servisse de exemplo. Gostaria que ele nunca tivesse acontecido. Infelizmente a realidade não é essa e temos que lidar com o fato de que vivemos em um mundo onde esse tipo de crime é comum, é relativamente tolerado e considerado por muitos como um crime menor. Não é. É exatamente o tipo de crime que quando ocorre nos deixa a todos, coletivamente, menos humanos. E é esse tipo de tolerância ao horror que devemos combater, não só pra fora, pros outros – mas dentro de nós mesmos.

::

Esse post faz parte da blogagem coletiva de repúdio ao caso de Queimadas, convocado pelas Blogueiras Feministas e pelo Luluzinha Camp. Para fazer parte, basta externar sua indignação e reportar para que seus posts sejam linkados nas páginas desses blogs.

http://www.renatacorrea.com.br/ser-paga-ou-ser-pega-a-logica-da-propriedade-e-o-estupro-de-queimadas

Anúncios

Sobre mundosofismo

Somos educadores populares e acreditamos na teoria de educação freirena, este espaço se destina a comunicação popular nas mais variadas mídias e formas. Buscamos colaborar com a liberdade de expressão através da defesa absoluta da democratização da mídia, colaborando com causas e movimentos e seus protagonistas nas lutas em todas os meios inclusive através do ciberativismo em Rede Mundial de Computadores.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Ser paga ou ser pega – a lógica da propriedade e o estupro de Queimadas

  1. Pingback: Rádio Cirandeira Ultrapassa as 200.000 visualizações | Rádio Cirandeira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s