Retrospectiva 2011: Desastres ambientais e emissões de CO2

O ano de 2011 começou com um temporal que castigou as cidades Teresópolis, Nova Friburgo, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto, localizadas na região serrana do Rio de Janeiro. De acordo com a prefeitura de Teresópolis, cerca de 1.590 imóveis foram interditados pela Defesa Civil em fevereiro.

No dia 11 de março, um terremoto atingiu a costa Nordeste do Japão gerando tsunami, que em decorrência dos abalos, prejudicou a estrutura de alguns dos reatores da usina nuclear de Fukushima. O resultado foram vazamentos e explosões na região. O terremoto e o tsunami de março deixaram cerca de 25 mil mortos e desaparecidos no Japão. Desde março, têm ocorrido tremores de terra no país. O Nordeste japonês é a área que mais sofre com os abalos sísmicos. Em dezembro, a operadora da usina nuclear de Fukushima, Tokyo Electric Power (Tepco), detectou um vazamento de cerca de 45 toneladas de água contaminada com estrôncio radioativo.

Em maio, o secretário-geral da Federação Internacional da Cruz Vermelha, Bekele Geleta, divulgou o dado de que o aquecimento global e as mudanças climáticas foram os motivos de 30 milhões de atendimentos da Cruz Vermelha Internacional só em 2010. Os números são referentes apenas aos atendimentos decorrentes de tragédias naturais. Para ele, foi possível perceber o agravamento desse número durante o ano de 2011.

No Dia Internacional de Prevenção aos Desastres, 13 de outubro, o secretário-geral da ONU Ban Ki-moon pediu mais esforços em todo o mundo para evitar a ocorrência de catástrofes naturais. Segundo a agência ONU-Habitat, até 2050, 200 milhões de pessoas podem ficar desalojadas por causa dos desastres

Em novembro ocorreu um vazamento em um dos poços do Campo de Frade, a 120 km do litoral do município de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, com uma profundidade aproximada de 1,2 mil metros e um volume estimado de 400 e 650 barris. A empresa petrolífera Chevron, responsável pela perfuração, que já havia sido advertida em R$ 50 milhões, foi novamente multada em dezembro pelo Ibama em R$ 10 milhões.

– Sistema de alerta de desastres naturais entra em operação 24h por dia
– Mudanças climáticas forçaram migração de 40 milhões em 2010, revela ONU
– Governo apresentará em maio lista de cidades e áreas propensas a tragédias naturais
– Chuvas na serra fluminense foram um caso raro, aponta estudo

Degelo no Ártico

De acordo com o Centro Nacional de Neve e Gelo a extensão de gelo no mar Ártico, em junho de 2011 era a mais baixo desde 1979/ Foto: JUAN-VIDAL

Segundo pesquisa publicada na Noruega, os últimos seis verões foram os mais quentes em 2000 anos, fato que vem contribuindo de forma lenta, mas constante, com o degelo nos pólos. O estudo, divulgado pelo Projeto de Monitoramento e Avaliação do Ártico, aponta que o aquecimento do Ártico deve provocar a elevação de 1,6 metro no nível do oceano. Segundo o artigo, cidades costeiras e muito povoadas, como em regiões de Bangladesh, Vietnã e China, devem se preocupar com as consequências devastadoras.

O crescente degelo também tem prejudicado a vida dos ursos polares. Em janeiro uma fêmea foi acompanhada por cientistas norte-americanos durante viagem de nove dias nadando pelo mar de Beaufort, no norte do Alasca. Muitos filhotes morreram durante essa migração, pois jovens ursos não possuem gordura suficiente para aguentar tanto tempo em águas frias.

– Embalagens da Coca-Cola ficarão brancas para defender a preservação do urso polar
– IPCC subestimou degelo no Ártico, aponta estudo
– Especialistas defendem ação política para salvar gelo no Ártico
– Pólos derretem mais rápido que o previsto, aponta estudo
Emissões de Gases

Foto: horrigans

Em fevereiro um estudo feito pelo Banco Mundial e por pesquisadores da Universidade de Toronto, intitulado “Cidades e as emissões de gases do efeito estufa: movendo-se adiante”, afirmou que as cidades são as grandes causadoras do aumento do efeito estufa no mundo. Elas já somam 80% do total de geração de gases estufa, tanto no consumo quanto na produção.

A China, país considerado o maior emissor mundial de dióxido de carbono (CO2), afirmou no mês de março, querer reduzir em 17% o volume de suas emissões de CO2 até 2015. O primeiro-ministro chinês Wen Jiabao ressaltou que na década que se inicia a cobertura florestal deverá aumentar para 21,66% do total, aumentando o volume de florestas em 600 milhões de metros cúbicos.

No fim do mês de novembro, um relatório divulgado pelo Pnuma afirmava que se nada for feito para limitar as emissões de gases causadores do efeito estufa, elas poderão chegar a cerca de 56 bilhões de toneladas em 2020, 12 bilhões de toneladas a mais do que o nível atual.

· Nível dos gases de efeito estufa atingiu recorde em 2010, revela OMM
· Austrália aumentará em 25% o número de emissões de CO2 até 2020
· China quer reduzir emissões de CO2em 17% até 2015

Desmatamento na Amazônia

As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 131 km²/Foto: A. Davey

O calendário oficial do desmatamento revelou, em abril, que entre agosto de 2010 e fevereiro de 2011, a Amazônia perdeu 1.255 quilômetros quadrados de floresta. O estado do Amazonas, por exemplo, registrou aumento de 91% no ritmo da derrubada.

De acordo com a ministra do Meio Ambiente Izabela Teixeira, há um crescimento permanente de desmatamento nos estados de Rondônia, Amazonas e Maranhão. O Acre e o Tocantins também registraram aumento, mas os números absolutos de desmatamento nesses estados são pequenos.

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon detectou 240 km² de desmatamento na Amazônia Legal em agosto de 2011. Em relação ao mesmo mês de 2010, houve uma redução expressiva de 92% quando a destruição florestal somou 1.555km².

Um levantamento divulgado em setembro, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), concluiu que mais de 60% da área já desmatada na Amazônia foram transformados em pastos. O estudo apresentou o que foi feito com os 720 mil quilômetros quadrados de florestas derrubados até 2008.

– Desmatamento da Amazônia deve manter tendência de queda, afirma ministra
– 2.792 focos de queimadas são identificados no Brasil

Fonte: http://www.adital.com.br/

Anúncios

Sobre mundosofismo

Somos educadores populares e acreditamos na teoria de educação freirena, este espaço se destina a comunicação popular nas mais variadas mídias e formas. Buscamos colaborar com a liberdade de expressão através da defesa absoluta da democratização da mídia, colaborando com causas e movimentos e seus protagonistas nas lutas em todas os meios inclusive através do ciberativismo em Rede Mundial de Computadores.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Retrospectiva 2011: Desastres ambientais e emissões de CO2

  1. Pingback: Rádio Cirandeira Ultrapassa as 200.000 visualizações | Rádio Cirandeira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s